O que é Hanseníase – Tratamento, tem cura ?

By Editor
In Útil
dez 15th, 2016
0 Comments
331 Views

O nordeste do Brasil ainda apresenta casos de hanseníase

Se alguém menciona a palavra hanseníase a primeira coisa que geralmente vem a mente é a pele se soltando do corpo e pessoas afastadas em colônias de quarentena para evitar surtos. Embora isso possa ter sido uma realidade no passado, a tecnologia moderna e tratamentos têm feito esta doença ser um pouco menos assustadora.

Causa

A hanseníase é uma doença crônica contagiosa causada por Mycobacterium leprae, uma bactéria em forma de bastonete. A doença também é chamada de doença de Hansen, após um médico norueguês, Armauer Hansen. Hansen foi o primeiro a descobrir a bactéria que causa a hanseníase e publicou um artigo sobre ela em 1873, de acordo com um artigo no Indian Journal of Dermatology.

A hanseníase afeta não apenas a pele, mas também os nervos periféricos, a mucosa do trato respiratório superior e os olhos. Se não tratada, a doença pode ser debilitante e causar fraqueza muscular, desfiguração, dano permanente nos nervos dos braços e pernas e perda de sensibilidade no corpo.

Existem duas formas comuns de hanseníase: tuberculóide e lepromatosa. Lepromatosa é mais grave e pode causar grandes protuberâncias no corpo.

Embora seja contagiosa, a doença de Hansen não é altamente infecciosa. Esta doença é transmitida através de gotas expelidas por espirros e tosses ou por entrar em contacto com fluidos nasais sobre superfícies. E não basta apenas tocar alguém com a doença para se contraí-la, como se pensava anteriormente.

Normalmente, o sistema imunológico de uma pessoa pode prevenir a infecção. As crianças são mais propensas a contrair a hanseníase do que os adultos.

O contágio, contudo, depende muito das condições nutricionais, de higiene e de educação – e quanto mais baixa a imunidade, maior o risco.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), dados oficiais de 121 países mostraram 213.899 novos casos de hanseníase foram relatados em 2014.

A cada ano, o Brasil registra 30 mil casos novos de hanseníase, enfermidade já controlada em grande parte do mundo. Perde apenas para a Índia, com 126 mil registros/ano.

O Maranhão é líder em casos absolutos no Nordeste e segundo no país (atrás apenas de Mato Grosso), com cerca de 3,5 mil novos casos por ano informados ao Ministério da Saúde.

Sintomas

A bactéria que causa a hanseníase cresce muito lentamente e pode levar de dois a 10 anos antes de sinais e sintomas aparecerem, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

Alguns sintomas podem incluir

Dormência ou falta de sensibilidade nas mãos, braços, pés e pernas
Nervos alargados (especialmente em torno do cotovelo e do joelho)
Hemorragias nasais e / ou nariz entupido
Lesões no corpo que não são tão sensíveis ao toque, calor ou dor
Lesões que não cicatrizam após várias semanas a meses
Úlceras nas solas dos pés
Pele espessa, dura ou seca
Dor forte
Fraqueza muscular ou paralisia (especialmente nas mãos e pés)
Problemas oculares que podem levar à cegueira

Diagnóstico e tratamento

A detecção precoce e o tratamento da hanseníase são fundamentais. Se for pego e tratado com rapidez suficiente, a doença geralmente não é debilitante. Tipicamente, o medico pedirá um teste cutâneo, uma biópsia de pele-lesão ou um exame de raspagem de pele, para testar a hanseníase.

Uma vez que o diagnóstico é feito, antibióticos, são usados para matar as bactérias. O diagnóstico pode incluir mais de um antibiótico.

As bactérias mortas também podem permanecer no corpo por vários anos, mesmo após o tratamento é concluído. Pode levar até seis anos para que os bacilos sejam completamente removidos do corpo, embora os bacilos estejam mortos após apenas algumas doses de antibióticos. Isso explica porque as reações podem continuar a ocorrer muito tempo após o tratamento estar concluído.

hanseniase-1 hanseniase-2 hanseniase-3

hanseniase-4








Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comente pelo Facebook: